Gestão

O GO procura apoiar os pesquisadores da UNICAMP durante todo o ciclo de vida do projeto, ou seja, desde a submissão da proposta até o relatório final do projeto aprovado e divulgação de seus resultados.

A. Submissão de propostas

Apoio aos pesquisadores, especialmente aqueles em início de carreira na compreensão das regras de cada modalidade de fomento e de cada chamada de propostas e ainda na elaboração do projeto de pesquisa.

1. O que deve ser considerado ao escrever um projeto de pesquisa:

Como desenvolver um projeto de pesquisa atraente?

Seu projeto deve ser algo que lhe interesse e que você se sinta seguro e preparado para pesquisar.

Ao preparar um projeto, considere:

  • Significado (Por que os outros se importariam?)
  • Impacto potencial (Como isso fará a área/o campo de conhecimento avançar? Qual o impacto na sociedade? E no meio ambiente? E para a vida das pessoas?)
  • Inovação (Como isso mudará o status quo – Que pesquisas sobre esse tema já foram feitas? Como foram feitas? Sob quais abordagens? Quais são os resultados? Como elas se alinham ou se diferem da sua?)
  • Financiamento (A que órgão de fomento – nacionais ou internacionais – pretendo submeter meu projeto?)
  • Internacionalização (Há parceiros internacionais? Há potencial de internacionalização da pesquisa?)
  • Nível de ousadia (O projeto é audacioso/ousado ao mesmo tempo que é exequível dentro do tempo proposto? O tema navega na fronteira do conhecimento?)
  • Tipo de projeto (regular ou temático, ou projetos em rede)

Como começo a conceituar meu projeto?

Elabore um projeto considerando sua formação acadêmica, linha(s) de pesquisa(s) e experiências prévias. Baseado na temática do projeto, avalie a necessidade de inclusão de parceiros nacionais e internacionais. Dimensione o tamanho da equipe e a expertise necessária para alcançar os objetivos delineados no projeto. O desenho experimental deve ser claro e estar bem definido, assim como os objetivos. A inclusão de fluxogramas descrevendo as diferentes etapas do projeto e as metas a serem alcançadas auxiliam consideravelmente no delineamento experimental. Os avanços científicos a serem alcançados na realização do projeto devem ser explicitados e discutidos, frente a literatura científica existente sobre o assunto. O impacto da pesquisa também deve ser explicitado claramente na proposta.

Lembre-se que o projeto deve possibilitar diversidade de ideias, ou seja, projetos devem ser multi-institucionais e com redes colaborativas internacionais e interdisciplinares.

Considere a importância do retorno à sociedade, com a participação de profissionais qualificados para divulgação dos projetos e seus resultados em linguagem leiga, seja utilizando as redes sociais, ou profissionais de jornalismo científico para atingir as mídias de grande alcance.

Que políticas de compliance estão envolvidas em meu projeto?

Compliance é essencial para o sucesso do seu projeto de pesquisa. Desde o momento em que você começa a pensar em seu projeto e ao longo da duração da concessão, garanta que sua pesquisa esteja e permaneça em conformidade com as políticas da universidade, com leis estaduais e federais e com os requisitos de agências de financiamento, quando for o caso.

Sendo assim, observe as necessidades específicas caso seu projeto se enquadre em um ou mais dos itens abaixo:

  • Minha pesquisa usa materiais biológicos ou substâncias controladas
  • Minha pesquisa usa animais vertebrados
  • Minha pesquisa pode envolver testes com seres humanos
  • Minha pesquisa envolve patrimônio genético e/ou conhecimento tradicional associado
  • Observe a necessidade de Gestão de Dados: o projeto ser acompanhado de um plano de gestão de dados sendo que ao menos os metadados deverão ser depositados no Repositórios de Dados de Pesquisa da Unicamp e, em caso de dados sensíveis, o projeto deverá seguir a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)
  • Como a política de compliance da UNICAMP afeta minha pesquisa
  • Como a política de compliance do agente de fomento a quem pretendo submeter meu projeto afeta minha pesquisa (ex: FAPESP, FINEP, CNPq)
  • Minha pesquisa pode resultar em novas tecnologias ou modificar tecnologias existentes (são passíveis de serem submetidos ao INPI e ao PCT)? Consulte a Agência de Inovação da Unicamp (INOVA) antes da divulgação dos dados por qualquer meio.
  • Caso o projeto envolva parceiros internacionais, onde posso encontrar orientações sobre atividades e/ou acordos de cooperação internacionais?

Como construir uma equipe eficaz?

Procure dimensionar adequadamente sua equipe para que a quantidade de pessoas não fique aquém ou além do necessário. Uma quantidade maior de pessoas leva à dificuldade de gestão além de desmotivar aqueles que estão com poucas atividades. Porém, menor quantidade leva à sobrecarga de trabalho e consequentes atrasos e/ou queda de qualidade da pesquisa.

Tenha clareza quanto ao escopo de atuação e a responsabilidade de cada membro da equipe e leve em conta a capacidade de comunicação fluida de cada um.

Leve em conta a importância de ter uma equipe diversa em termos de conhecimento sobre o assunto da pesquisa, sobre ferramentas, estratégias e metodologias de pesquisa e diversidade também em termos de nível de formação (graduação, mestrado, doutorado, docentes em início de carreira e docentes mais sênior). Procure garantir o equilíbrio de idade (etária e profissional) e de gênero.

Fique atento às possibilidades de obtenção de bolsas para os membros da equipe.

Verifique se em sua unidade/centro/núcleo já há equipes de suporte administrativo para a gestão de seu projeto. É importante contar com técnicos capacitados que se encaixem nas diferentes áreas do conhecimento e com profissionais do setor financeiro, visando emprego adequado e balanceado dos recursos e auxílio nas compras e prestações de contas.

Quais recursos eu tenho ou preciso?

Defina suas necessidades e avalie seus recursos:

  • Quais recursos você precisará obter para realizar seu trabalho?
  • Que recursos você já possui?

Compreender suas necessidades e recursos o ajudará a aprimorar o escopo do projeto para uma chamada de propostas específica, identificando quais instalações/infraestrutura você pode acessar e se você deve se engajar em colaborações com outros pesquisadores ou parceiros visando otimizar o uso de recursos (instalações/infraestrutura).

No que se refere a equipamentos disponíveis, procure buscar ou ajudar a estabelecer plataformas multiusuárias de trabalho: Não se esqueça de buscar o que você precisa em outros locais/laboratórios de sua unidade ou de outras unidades e ainda verificar as facilities existentes. Veja a Central de Equipamentos e Serviços / Service Facility, o parque de equipamentos de pesquisa da UNICAMP.

Onde encontrar oportunidades de financiamento?

Para ajudá-lo na prospecção de oportunidades, o Grant Office da Pró-Reitoria de Pesquisa da UNICAMP mantém atualizada uma página contendo oportunidades de financiamento com links para Chamadas recentes dos principais agentes financiadores de pesquisa.

Como posso fazer com que outras pessoas invistam em minha pesquisa?

Para conseguir financiamento para seu projeto, leve em conta:

  • O que os resultados significarão, não apenas para sua própria pesquisa, mas para seu campo de conhecimento, para outros campos e para as pessoas que irão analisar sua proposta?
  • Como seu potencial projeto se encaixa nos objetivos do órgão ou agência de fomento ou de outro tipo de agente financiador a quem você vai submeter a proposta?

Procure entender a forma como o agente financiador vai analisar seu projeto. Coloque-se no lugar de um assessor ad hoc e analise seu próprio projeto, segundo as normas do agente financiador. Como exemplo, veja em Formulários para Parecer Inicial as perguntas feitas pela FAPESP aos assessores ad hoc, para cada modalidade de fomento.

Como devo proceder caso minha pesquisa seja em parceria com uma empresa com ou sem fins lucrativos?

2. Sugestões da FAPESP para formatação de projetos.

Auxílio à Pesquisa – Regular

Auxílio à Pesquisa – Temático

B. Gestão de Projetos contemplados em chamadas de propostas

Apoio à gestão de projetos de pesquisa em andamento, com ênfase em projetos de grande porte. Esse apoio se dá em conjunto com os escritórios de apoio das unidades acadêmicas, centros e núcleos.

1. Contratação

Contratação é a etapa que se segue à divulgação do resultado positivo de uma solicitação de financiamento de um projeto de pesquisa. A concessão de valores é precedida da assinatura de contrato entre o pesquisador outorgado e o órgão de fomento, no qual são fixadas as regras para liberação e uso dos recursos.

Normalmente, acompanhando o contrato, são necessários documentos comprobatórios, cadastros, assinaturas de dirigentes e outras exigências a depender do agente financiador. Em “Documentos” estão disponíveis alguns dos documentos geralmente solicitados ou, dependendo do caso, a explicação sobre a maneira de consegui-los.

Os contratos de concessão de financiamento com empresas ou com organismos internacionais são regidos por convênios ou acordos de cooperação, com regras que variam e que devem ser bem conhecidas antes da submissão de proposta para não haver dúvidas legais, caso a proposta seja aprovada. Para o estabelecimento de acordos e convênios, o pesquisador e as equipes de apoio institucional nas respectivas unidades devem estar atentos às normas da UNICAMP, determinadas na Deliberação CONSU-A-16/2022.

Mostramos a seguir as regras dos principais agentes governamentais de fomento:

  • Fapesp

O Termo de Outorga é o documento que oficializa a concessão de recursos pela FAPESP ao(s) Outorgado(s), para o desenvolvimento de projeto de pesquisa previamente aprovado, e estabelece as condições e obrigações dos outorgados (pesquisadores e bolsistas), da Instituição ou Empresa Sede e da FAPESP.

 

  • FINEP

Os contratos com a FINEP são firmados através de convênios com ou sem interveniência da FUNCAMP. As minutas de contratos são disponibilizadas em cada edital da FINEP.

 

  •  CNPq

As contratações no CNPq são feitas de acordo com as chamadas de propostas.

O proponente terá até 90 (noventa) dias para assinar o TERMO DE OUTORGA a partir da data da publicação do extrato da decisão final do julgamento da chamada de propostas no Diário Oficial da União.

2. Acompanhamento/ Compras/Prestação de Contas

Durante o desenvolvimento da pesquisa é necessário estar sempre atento às regras e aos prazos determinados no contrato de concessão. Inerentes à execução do projeto de pesquisa, as compras, os relatórios de andamento da pesquisa, as prestações de contas etc. devem ser sempre monitorados pelas equipes de apoio institucional ao pesquisador de cada unidade da universidade (institutos, faculdades, centros ou núcleos). Caso a unidade ainda não tenha uma equipe bem estruturada para fornecer esse apoio, a equipe do Grant Office pode orientar o pesquisador.

Para o bom andamento da pesquisa é preciso estar atento a:

  • Execução: Implementar as atividades do projeto de acordo com o plano estabelecido, monitorando o andamento, garantindo a qualidade e ajustando o curso conforme necessário.
  • Comunicação: Deve ser mantida uma comunicação clara e regular com todas as partes interessadas, como a instituição financiadora, os parceiros do projeto, a equipe do projeto e os beneficiários para garantir a coordenação e o fluxo de informações.
  • Monitoramento e avaliação: Acompanhar o desempenho do projeto em relação às metas e indicadores estabelecidos, identificar problemas ou desvios e implementar ações corretivas conforme necessário.
  • Relatórios: Preparar relatórios periódicos conforme exigido pela instituição financiadora, fornecendo informações sobre o andamento do projeto, resultados alcançados e utilização de recursos.
  • Encerramento: Executar a avaliação final do projeto, registrar as lições aprendidas, resultados e os efeitos recebidos. Fechamento adequado, incluindo relatórios finais, prestação de contas e entrega de resultados de acordo com a instituição financiadora.

Como exemplo, seguem algumas das diretrizes e regras definidas pela FAPESP e pelo CNPq sobre a utilização dos recursos:

 

3. Gestão de Resultados

Divulgar os resultados da pesquisa é tão importante quanto a própria pesquisa. É através da divulgação e do compartilhamento dos dados obtidos por meio do desenvolvimento de projetos de pesquisa que se dá o debate científico, a troca de experiências e de resultados, a comparação de técnicas, métodos, testes e conhecimentos gerados e, consequentemente, o avanço científico, social, econômico e cultural.

Nesse contexto, a gestão adequada dos dados de pesquisa é parte essencial das boas práticas de pesquisa pois facilita sua reprodução, graças à possibilidade de reúso e compartilhamento dos dados e evidências, além de ajudar a realização de novas pesquisas e análises sobre temas semelhantes.

Importantes agências de fomento à pesquisa como, por exemplo, a FAPESP, exigem que no momento da submissão da proposta, o pesquisador já apresente o plano de gestão e compartilhamento dos dados a serem obtidos com a pesquisa proposta.

Na UNICAMP, o Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU) disponibiliza um formulário que propicia acesso único e confiável para o autor depositar sua produção intelectual no Repositório de Dados de Pesquisa da Unicamp (REDU).

Alguns links úteis para a elaboração de PLANOS DE GESTÃO DE DADOS e esclarecimento de dúvidas:

FAPESP – Gestão de dados

FAPESP – Open Science

Agência FAPESP – Planos de Gestão de Dados